(foto: AFP / PEDRO PARDO)

Em meio ao crescimento exponencial de casos e mortes do novo coronvírus no Brasil, estudos tentam prever quantas mortes o país pode registrar nos próximos meses. Na avaliação do do Institute for Health Metrics and Evoluation (IHME), estima que 125,8 mil pessoas devem morrer de covid-19 até agosto, caso não haja medidas para frear as infecções no país.

Nesta terça-feira (26/5), o Brasil voltou a confirmar mais de mil mortes pela doença nas últimas 24 horas. De acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, o país confirmou mais 1.039 registros e, com isso, chega a registrar 24.512 óbitos pela covid-19. 

A pesquisa americana aponta que as fatalidades podem colocar o Brasil em primeiro lugar em números absolutos, caso os Estados Unidos mantenha a tendência de queda nas atualizações diárias. De acordo com levantamento do site de estatística World Meter, os EUA computaram 736 novas mortes, ou seja, 303 a menos que o Brasil registrou nesta terça. 

Representantes da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) fizeram um alerta em cima das estimativas anteriores, de 88,3 mil mortos até o início de agosto. “Na América do Sul, estamos particularmente preocupados com o fato de que o número de novos casos reportados na última semana no Brasil foi o mais alto para um período de sete dias desde o início da pandemia”, afirmou a diretora da Opas, Carissa Etienne. 

Sendo puxado pelo Brasil, para Etienne, “não há dúvida, nossa região (América Latina) se tornou o epicentro da pandemia.” A expectativa é que a média diária de morte continue ultrapassando a margem de mil. “Este não é o momento de flexibilizar”, alertou a diretora.

Com 391.222 casos confirmados, o país permanece em segundo lugar no ranking mundial de nações com mais casos da doença, atrás apenas dos Estados Unidos.

Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here