O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), é crítico da gestão que o governo federal vem fazendo da vacinação contra a covid-19. Na sua avaliação, o Brasil demorou para comprar os imunizantes e, com isso, terá mais dificuldades tanto para reverter a curva de mortes quanto para reaquecer a economia.

“Não há como deixar de reconhecer que o Brasil deu uma pequena derrapada nessa largada da vacina e contra fatos e evidências não há o que se questionar. Há diversos países vacinando e o Brasil não começou. Precisamos acelerar o processo”, disse em entrevista ao site Poder360, realizada na 6ª feira (15.jan.2021).

Com o aumento de casos, o governador prevê a adoção de novas medidas de distanciamento social. Questionado se ele cogita um lockdown, porém, ele negou. “Vamos editar um decreto com regras diferenciadas de como enfrentar a pandemia”, antecipou.

Atualmente, Mato Grosso é o 5º estado que mais registrou mortes por milhão de habitantes. Veja o gráfico do país inteiro:

© Fornecido por Poder360

Mendes, que também foi prefeito de Cuiabá, capital do seu estado, disse que, mesmo sem um plano nacional de vacinação, antecipou-se na compra de seringas e organização logística para a chegada das vacinas. E tentou fazer compras diretas, que não prosperaram. Ele garante ter quase 4 milhões de seringas em estoque, reservadas para esse uso. Mato Grosso tem aproximadamente 3,5 milhões de habitantes.

Questionado a respeito das críticas feitas por grupos que não reconhecem a gravidade da pandemia à rapidez com a qual a vacina foi produzida -aproximadamente 1 ano- Mendes disse acreditar na ciência. Ele também criticou o negacionismo expresso por camadas da sociedade brasileira e lideranças políticas, sobretudo aquelas ligadas ao Presidente Jair Bolsonaro.

“A ciência tem evoluído rapidamente nas últimas décadas. Pessoas não querem e não seria razoável querer que a ciência continuasse produzindo como era há 20, 50 anos atrás. Hoje tudo é mais rápido”, disse. “É natural que a ciência seja mais rápida. Será que ciência do mundo todo, os organismos estariam aplicando essa vacina se não fosse confiável?”, questionou. E ele mesmo respondeu: “Acredito na ciência”.

Críticas francesas

A frente de um dos estados mais dinâmicos no agronegócio, Mendes criticou a fala recente do presidente francês, Emmanuel Macron, de que comprar soja brasileira seria sinônimo de patrocinar o desmatamento da Amazônia.

“Macron não sabe o que está falando. Desafio o seu Macron e qualquer outro país do mundo a mostrar que são capazes de produzir tanto alimento como produzimos e ter 62% dos territórios preservado. Está falando do que não conhece e não é verdade”, afirmou.

Autor: Poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here