A comissão julgadora do Prêmio MPT na Escola de Mato Grosso finalizou na semana passada a avaliação dos trabalhos vencedores da etapa estadual do concurso. Foram selecionadas as melhores produções artístico-culturais de quatro categorias (conto, desenho, música e poesia). Neste ano, 15 estudantes do ensino fundamental, matriculados em escolas públicas de três municípios mato-grossenses, participaram da competição. Os primeiros lugares de cada categoria se classificaram automaticamente para a fase nacional do prêmio, que reúne os trabalhos vencedores de outros estados do país.

Os estudantes das 4ª e 5ª séries do ensino fundamental desenvolveram produções relacionadas ao tema trabalho infantil, destacando questões como causas, consequências, políticas públicas de enfrentamento e ações de prevenção e repressão. Já o outro tema, a profissionalização do adolescente, foi explorado pelos alunos das 6ª e 7ª séries.

Há anos o Projeto MPT na Escola vem capacitando educadores de Mato Grosso para que atuem nas salas de aula como multiplicadores do saber. A dinâmica funciona como uma espécie de teia que envolve toda a comunidade escolar, conscientizando crianças e adolescentes, professores e pais para desconstruir mitos em torno do trabalho infantil e romper barreiras culturais de permissibilidade e naturalização. Em 2021, apesar das dificuldades impostas pela pandemia do novo coronavírus, mais de 4 mil alunos e 191 educadores de 25 escolas municipais de Cuiabá, Várzea Grande, Sorriso e Diamantino participam do projeto.

O potencial transformador da iniciativa é reforçado pelo procurador do MPT e coordenador regional da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), André Canuto. “A prevenção do trabalho infantil inicia-se durante a educação e formação de cada cidadão, e o melhor lugar para se desenvolver e conscientizar pessoas é a escola. Através da participação de toda a comunidade escolar fomentamos o engajamento e fortalecemos a luta contra o trabalho infantil”, pontua.

O projeto

A erradicação do trabalho infantil no Brasil é uma das metas institucionais do MPT. O “MPT na Escola” visa incluir, na proposta pedagógica e no currículo das escolas municipais do ensino fundamental, assuntos relativos aos direitos e deveres das crianças e adolescentes, a fim de fortalecer a rede de proteção e atingir toda a comunidade escolar, dando a devida importância e visibilidade à temática.

Trata-se de iniciativa estratégica do Projeto Resgate à Infância, Eixo Educação — há, ainda, os eixos Profissionalização (aprendizagem) e Políticas Públicas (articulação da rede de proteção municipal) —, que busca combater o trabalho infantil por meio da prevenção. A ideia é criar meios para despertar uma consciência coletiva que consiga romper com as barreiras culturais que naturalizam e perpetuam o trabalho infantil.

Adotando a metodologia da multiplicação do saber, o “MPT na Escola” é desenvolvido em cinco etapas. A primeira delas se caracteriza pela capacitação de um técnico da Secretaria Municipal de Educação que vai atuar como coordenador em determinada cidade. Essa fase, conduzida pelos procuradores do Trabalho da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), é marcada por palestras, exibição de vídeos, dinâmicas e debates sobre o conceito de trabalho infantil, os mitos e as concepções equivocadas sobre o assunto e as consequências dessa prática no futuro das crianças.

Em seguida, são capacitados os coordenadores pedagógicos das escolas selecionadas (segunda etapa) e os professores (terceira etapa). Estes, por sua vez, vão abordar em sala de aula, diretamente com os alunos, os temas propostos (quarta etapa), incentivando-os a realizarem trabalhos que permitam uma avaliação dos resultados da ação (quinta etapa).

Para coroar todo esse processo e reconhecer o empenho de alunos e professores, é realizado o Prêmio MPT na Escola, que seleciona os melhores trabalhos literários, artísticos e culturais dos estudantes das instituições de ensino que integram o projeto em todo o Brasil.

Veja aqui a lista dos vencedores:

Grupo 01 – alunos de 4º e 5º anos

Conto 4ª e 5ª séries

1º – Município de Várzea Grande – Lauriany Vitória Aguiar dos Santos – EMEB Prof.ª Maria Joana da Silva Almeida

2º – Município de Diamantino – Raíssa Estevam dos Santos – Escola Municipal Castorina Sabo Mendes

3º – Município de Várzea Grande – Bianca de Almeida Vieira – EMEB Antonio Gomes da Cruz

Desenho 4ª e 5ª séries:

1º – Município de Sorriso – Camylle Gabriele Freitas Moura – Escola Municipal São Domingos

2º – Município de Diamantino – Valbert Rafael Patrocinio de Lima – Escola Municipal Castorina Sabo Mendes

3º – Município de Sorriso – Eloine Estefani Batista dos Santos – Centro Munucipal de Educação Básica de Sorriso

Poesia 4ª e 5ª séries:

1º – Município de Sorriso – Agata da Silva Oliveira – Escola Municipal São Domingos

2º – Município de Diamantino – Maria Heloísa de Sousa Machado – Escola Municipal Castorina Sabo Mendes

3º – Município de Sorriso – Thifany Nascimento Silva – Escola Municipal São Domingos

Grupo 02 – alunos de 6º e 7º anos

Desenho 6ª e 7ª séries:

1º – Município de Várzea Grande – Mizael Augusto da Silva Padilha – EMEB Abdala José de Almeida

Música 6ª e 7ª séries:

1º – Município de Várzea Grande – Kenielly Soares Moraes – EMEB Benedita Bernadina Curvo

Poesia 6ª e 7ª séries:

1º – Município de Várzea Grande – Evillyn Lorrainy da Silva Santos – EMEB Joaquim da Cruz Coelho.

Texto: Decom c/ Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here