Dinheiro em caixa para construir escola, unidade de saúde, prédios administrativos, ponto de ônibus, drenagem. Processo licitatório em curso. E… cadê empreiteira interessada em edificar estas e outras obras que vão fazer a diferença na vida de muita gente em Sorriso?

O que era pra ser a exceção da exceção tem sido, infelizmente, regra em muitos processos licitatórios em Sorriso. “O setor de construção civil privado é muito forte em Sorriso, a negociação  direta é mais fácil e o mercado está aquecido”, lista Helton Machado de Souza, que atua no ramo de construção civil há mais de 20 anos. Além de falar sobre o lado positivo de muitas empreiteiras não buscarem participar das licitações das obras públicas, ele também aponta alguns outros fatores: morosidade de processo, burocracia e o risco de penalizações quando o processo não sai “100% dentro dos conformes”.

Bingo. Justamente por conta destes fatores, a Prefeitura de Sorriso, de forma articulada entre diversos setores, busca oferecer um suporte a estas empresas interessadas em, tijolo a tijolo, erguer obras que vão se traduzir em sala de aula, policlínica e laboratório de exames, por exemplo. Para tanto, nesta terça-feira (5 de julho), no Centro de Eventos Ari José Riedi, o prefeito Ari Lafin, secretários municipais, líderes de setor, vereadores e demais servidores públicos, reuniram-se com representantes de empreiteiras, construtoras e incorporadoras para começar a mudar esta realidade.

“Temos cerca de R$ 160 milhões em caixa para dar o ‘start’ em obras, mas precisamos de empreiteiras que as executem”, destacou Ari, contextualizando que, mesmo que a empreiteira não se interesse por determinada obra, que ajude a divulgar esta oportunidade para empresas conhecidas, seja daqui ou de fora do Município.

É claro que, se a empresa apta a erguer as edificações for daqui, toda a economia local sai ganhando. “Esta agenda colaborativa traz ganhos a toda a cadeia econômica e é louvável incentivar as empresas locais a participarem dos processos”, discorreu o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Jeferson Silveira, lembrando que o Sebrae está disponibilizando um curso especialmente sobre isso.

Pois é, a formação, que traz passo a passo de como participar das compras públicas, está sendo promovida em parceria com a Prefeitura e é uma das ferramentas utilizadas para contribuir para que empresas locais possam negociar com o Poder Público. “Já tivemos uma turma em que 25 empresários passaram pela formação e agora, mais 25 vão conhecer mais a fundo este processo”, comentou o titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Oliveira.

Mesmo sem a formação, as empresas interessadas em participar destes processos podem e devem buscar auxílio na própria Prefeitura. “Podemos contribuir para tirar dúvidas e ajudar as empresas neste processo”, dispôs-se o secretário-adjunto de Fazenda, Miraldo de Souza.

Raio-X

O secretário interino da Cidade, Eduardo Sperotto, apresentou, durante a reunião, o panorama atual de obras públicas em Sorriso. Atualmente, a Secretaria Municipal da Cidade (Semcid) faz a gestão de 23 obras em Sorriso, que representam investimentos na ordem dos R$ 55 milhões. Neste bolo, há obras viabilizadas em parceria com o Governo do Estado.

Em algumas, o bate-bate de uma obra normal dá lugar ao silêncio do canteiro vazio, visto que, diante da inflação, que demanda a necessidade de reequilíbrio financeiro, é preciso que os preços de “item por item”, “barra de ferro a barra de ferro”, “prego, escoras e lajes”, sejam cuidadosamente analisados para que a empreiteira receba o reajuste necessário para continuar o processo.

Quando os recursos são municipais, o processo é menos burocrático, mas igualmente criterioso. Já quando outros entes federativos entram em cena, aí o tempo de análise dobra. “Estamos dispostos a ajudar neste processo dentro do que for possível e sempre amparados pela lei”, reitera Ari, pontuando que reuniões já foram feitas com representantes do Legislativo, da CDL, e também da Associação Comercial e Empresarial (ACES) para dar mais transparência a estas situações e buscar soluções.

“Pensamos, inclusive, em licitar por partes: primeiro a obra bruta; e depois os acabamentos, mas já percebemos que o Tribunal de Contas da União, o TCU, não vê com bons olhos esta prática”, acrescentou o gestor.

Projeções

Se, agora, a Semcid acompanha 23 obras, há outras oito em que a licitação está “no jeito”, o que representa mais R$ 35 milhões em investimentos.

Além destas, 15 projetos estão em andamento e 21 aguardam na fila para ficarem redondinhos até chegar o ponto de irem para a aba das licitações. Ah… ainda não terminou não: quatro convênios assinados com o Estado vão resultar em 11 novas obras.

“São 92 obras acontecendo e ‘a acontecer’”, contabilizou Sperotto.

Como participar

Mas, como saber que processos estão abertos? É muito simples: só acessar o site da prefeitura www.sorriso.mt.gov.br, e clicar no banner “Transparência”. Ainda é possível clicar no ícone “Portal Transparência”, que são abertos todas as licitações.  Outra forma? Tem sim: no campo “Agenda”, também dá para acompanhar todo o processo.


Autor: Assessoria de Imprensa

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here