Um dos principais suspeitos pelo desaparecimento do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira, Amarildo Oliveira da Costa, conhecido como Pelado, confessou ter participado do assassinato da dupla, que desapareceu na Amazônia no último dia 5. A informação foi passada por fontes da Polícia Federal à CNN nesta quarta-feira (15).

Aos policiais federais, Pelado afirmou, no entanto, que uma outra pessoa foi a responsável por atirar em Pereira e Phillips. O suspeito disse ainda que sua participação foi apenas no momento em que ajudou a enterrar os dois. Aos agentes, Pelado também contou que os corpos foram esquartejados e incinerados.

O suspeito foi questionado sobre a motivação do crime e, segundo fontes da PF disseram à CNN, ele admitiu que Pereira e Phillips foram assassinados por conta de denúncias sobre pesca ilegal na região.

Também nesta quarta, uma testemunha-chave do caso já havia afirmado à Polícia Federal que o jornalista e o indigenista haviam sido mortos. Em depoimento durante a madrugada, essa mesma testemunha descreveu aos policiais o local onde os corpos teriam sido deixados.

Ela disse aos investigadores que teria ouvido tiros enquanto cuidava de um barco numa região conhecida como Lago Preguiça, no dia 5 de junho. A data bate com a do desaparecimento das vítimas. Uma equipe da PF foi ao local indicado para tentar localizar os corpos.

Na terça-feira (14) a Polícia Federal prendeu Oseney da Costa Oliveira, 41 anos, por supostamente estar envolvido no caso. Ele é irmão de Amarildo da Costa de Oliveira, também de 41 anos, preso no dia 8, também por suspeita de estar ligado ao desaparecimento da dupla. As equipes de investigação encontraram sangue e vestígios que seriam humanos em sua embarcação.

Autor: CNN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here