A migração dos pequenos negócios para o mundo digital, antes disso, vinha sendo lenta

O presidente do Instituto Locomotiva, Renato Meirelles, vê um movimento de rápida adaptação dos pequenos negócios à difícil realidade imposta pelo coronavírus. ‘A lógica agora é a velocidade: não importa mais tanto a loja, o ponto físico. O que conta agora é a capacidade que uma empresa tem de chegar até o consumidor.‘

Nesse sentido, diz o especialista em consumo, soluções como o guarda-móveis vêm para reduzir o custo de aquisição do cliente. Abrir uma loja em um shopping center exige que o empresário pague aluguel antes de receber o primeiro cliente. ‘Na nova realidade, o ponto deixou de ser tão importante. Basta estar na internet para vender. É uma forma de reduzir custos e expandir a freguesia.‘

O movimento dos lojistas foi muito rápido porque foi motivado pela dificuldade da pandemia – a migração dos pequenos negócios para o mundo digital, antes disso, vinha sendo lenta. ‘Antes, os empreendedores valorizavam o status de ser dono de loja proporcionava. Na verdade, eles pagavam um aluguel comparativamente muito mais alto do que a loja âncora. Era ilusão. Agora, viram que conseguem vender em um modelo com uma adaptabilidade muito maior.‘

Por Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here