O agronegócio brasileiro está mais profissional, e com menos espaço para improvisos. Esta é uma tendência que se consolida e vem se refletindo também nas vagas de trabalho criadas pelas empresas do setor. Uma pesquisa revela que houve uma alta de 40% na contratação de gestores sêniores para o trabalho no campo no ano passado em relação a 2017. Os dados divulgados pela empresa Michael Page, especializada em recrutamento executivo, indicam que está em alta a procura por profissionais sêniores, ou seja, executivos que tenham habilidade e experiência para administrar grandes projetos no segmento. 

De acordo com o levantamento, as posições mais requisitadas estão ligadas às áreas de finanças, vendas, operações e recursos humanos. Entre os profissionais mais procurados estão gestores de fazendas, gestores de TI, controller, coordenadores agrícolas especializados em tratos culturais, representantes técnicos de vendas, diretores comerciais e analistas administrativos. Os salários variam de R$ 3 mil a R$ 40 mil reais.

O aumento nas contratações de profissionais como este perfil faz parte de uma estratégia das empresas para reforçar a gestão dos negócios. A ideia é aumentar a eficiência da produção para atender um mercado mais competitivo e moderno.


“Todo esse cenário provoca uma movimentação intensa e que tem se tornado constante no setor agro. A busca por executivos com mais bagagem deve ser uma tendência para os próximos anos para todas as companhias que pretendem se posicionar estrategicamente no mercado. Quem não acompanhar esse movimento corre sério risco de ficar de fora desse movimento de expansão do segmento”, afirma Lucas Toledo, diretor da Michael Page.

Por isso, os profissionais mais experientes saem na frente na hora de conquistar a vaga.

“A experiência conta bastante nesse momento porque esse profissional terá de lidar com desafios constantes em suas operações. E, claro, uma formação qualificada é condição básica para entrar no radar de um consultor”, detalha Toledo.

Nordeste 

Ainda segundo a empresa, em 2018, 45% das posições de média e alta gerência no setor de Agronegócio no Brasil foram para empresas do Nordeste. 


“O Nordeste é um dos grandes celeiros do agronegócio no Brasil. A ampla extensão territorial da região e a característica particular de grandes grupos familiares em processo de profissionalização provocaram um grande acréscimo nas demandas por vagas sêniores na nossa regional”, afirma Marcelo Botelho, gerente sênior da Michael Page para o Nordeste.

Mas, ainda assim, os salários ainda apresentam diferenças por regiões. 

“As faixas salariais da pesquisa levam em conta um caráter nacional. No Nordeste algumas funções ainda sofrem um pequeno deságio quando comparado com funções semelhantes no Sul e Sudeste, no entanto, percebe-se que essa diferença tem caído gradativamente ao longo dos últimos anos”, acrescenta Botelho.

O estudo revela ainda que as empresas do setor agro estão buscando com mais frequência as consultorias para realizar as contratações. Há 15 anos, menos de uma em cada dez vagas gerenciais era conduzida por consultorias especializadas em recrutamento. Atualmente, são 4 em cada 10 vagas. 

Perfil das contratações 

Entre as maiores contratações realizadas no ano passado sob supervisão da consultoria, a área de Finanças representou 35%. As posições seguintes no ranking foram ocupadas por: Vendas (33%), Operações (20%) e Recursos Humanos (12%).

Veja os profissionais mais requisitados.

* Coordenador Agrícola, especializado em tratos culturais: É o profissional responsável por tratar das lavouras, apurar o processo produtivo da plantação, lidar com os trabalhadores do campo e garantir os padrões de produtividade almejados pelos donos do negócio. Para preencher a vaga, as empresas procuram profissionais com capacidade de liderança, que concilie gestão com perfil técnico e tenha habilidade para motivar a equipe. Salário entre R$ 8 mil a R$ 18 mil.

* Contador: Apura a contabilidade da empresa. As empresas procuram um profissional com formação em contabilidade e que tenha capacidade analítica. Salário varia de R$ 10 mil a R$ 18 mil.

Diretor Comercial: Estrutura e aplica a estratégia comercial da empresa, realiza estudos de mercado, busca novos modelos comerciais. O mercado procura profissionais com amplo conhecimento em máquinas agrícolas e em produtos agroquímicos como fertilizantes. Geralmente são profissionais das áreas de zootecnia, engenharia agronômica e veterinária. Um diferencial exigido é a fluência em inglês ou espanhol, para se reportar à matriz ou aumentar as vendas em outras regiões. O salário varia de R$ 25 mil a R$ 40 mil.

* Gerente de fazenda: É o profissional responsável pela gestão direta da fazenda, e por liderar a equipe técnica de campo. Muitas vezes assume também a gestão financeira do negócio. Para exercer a função, as empresas procuram pessoas capazes de realizar a gestão e acompanhar as técnicas de produção. Para estas vagas, saem na frente as pessoas com formação em Engenharia Agronômica e com cursos de capacitação voltados para o Agronegócio. A faixa salarial varia de R$ 10 mil a R$ 25 mil.

* Business Partner: especializado em recursos humanos. Este profissional atua realizando atividades ligadas ao desenvolvendo organizacional, ou atividades operacionais ligadas à folha de pagamentos, como administração de pessoal, relações sindicais e trabalhistas. São preferidos profissionais com experiência em treinamento, desenvolvimento, recrutamento e seleção. Salário varia de R$ 8 mil a R$ 12 mil.

* Controller: O controlador organiza, planeja e desenvolve planos econômico-financeiros, analises contábeis e indicadores de performance para acompanhar as projeções de faturamento do negócio. O profissional deve ter formação em Contabilidade, e capacidade de interação com as outras áreas para entender a composição dos custos. Salário entre R$ 12 mil a R$ 16 mil.

* Analista em FP&A (Planejamento e Análise Financeira): É o profissional especialista em projeção e análise de desempenho, através de demonstrativos financeiros, acompanhamento de despesas operacionais e faturamento. Deve ter formação em contabilidade, finanças, economia e domínio do idioma inglês. Salário varia entre R$ 7 mil a R$ 9 mil.

Formação

É de olho neste mercado que muitas instituições de ensino estão criando cursos específicos para formar profissionais voltados para o agronegócio.

Entre as opções estão os cursos da Faculdade CNA, ligada ao Sistema CNA/SENAR/CNA. A instituição, primeira no Brasil exclusiva em agronegócio, mantem cursos de graduação presenciais e à distância. Na modalidade Ead estão sendo oferecidos cursos de Gestão Ambiental, Gestão de Recursos Humanos, Gestão de Agronegócio, Processos Gerenciais e Logística. Mensalidades variam de R$ 179,00 (com desconto) a R$ 358,00 (sem desconto).

Para quem prefere uma formação ainda mais específica, outra opção é o curso de graduação em Viticultura e Enologia oferecido pelo Centro Universitário Unirb, em Salvador. A graduação, com duração de 3 anos, forma profissionais para atuar nas áreas relacionadas aà produção e à conservação de vinho, desde o plantio até a venda. Valor da mensalidade: R$ 924,00.

Fonte: Correio 24 horas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here