O mercado de carne bovina no Brasil passa por um momento turbulento após a suspensão temporária dos embarques para a China, principal importador. As vendas não acontecem desde o início de setembro, após o Brasil confirmar dois casos atípicos do “mal da vaca louca”, e, até o momento, não há previsão de quando serão retomadas as exportações, mesmo após o parecer da Organização de Saúde Animal (OIE), que considerou o Brasil como risco insignificante para a doença.

A cenário de apreensão fica ainda maior com o temor de que as exportações não sejam retomadas até o final de setembro, já que entre 1 a 7 de outubro, os asiáticos paralisam parte de suas atividades para celebrar o Dia Nacional da China.

Para o analista da consultoria Safras & Mercado, Fernando Iglesias, a ausência do mercado chinês nas exportações de carne bovina é ruim para frigoríficos e pecuaristas. “A situação é complicadíssima, com os frigoríficos tendo que remanejar escalas de abate e ainda sentindo o impacto dos custos logísticos, já que câmaras frias estão lotadas aguardando para serem despachadas”, pontua.

Responsável pela produção da carne bovina, o pecuarista também sente o impacto com a natural redução nas vendas. “Esse animal que está indo para o abate é o de confinamento, e nesse tipo de terminação o gasto com nutrição é maior, quando se analisa o custo dos insumos, como o milho, que hoje estão com preços proibitivos. Quanto mais demora para se resolver a questão com a China, mais o cenário vai se complicando. Cada dia no cocho é um gasto a mais para o produtor”, diz Iglesias.

Na opinião do analista, não há nada que justifique a interrupção dos embarques de carne bovina, uma vez que a questão sanitária já foi superada. Ele diz o setor foi pego de surpresa diante da falta de posicionamento oficial por parte da China, o que leva o mercado a ponderar algumas questões.

“Há uma suposição de que a China está tentando baixar preços de contratos para pagar menos por proteína. Outra possibilidade é que diante do movimento de queda da carne suína neste ano, que acarretou prejuízos ao suinocultor chinês, a demora em dar um parecer ao Brasil pode ser uma justificativa para ampliação da oferta de carne suína”, ressalta Iglesias.

Como fica o mercado de carne bovina sem a presença da China

Representando 57% de todo o faturamento com exportações de carne bovina, Fernando Iglesias diz que o mercado aguarda ansiosamente pela retomada das exportações ao mercado asiático ainda este mês. De acordo com ele, em um cenário pessimista, onde o Brasil ficaria mais 20 dias sem vender à China, a situação da pecuária de corte se agravaria ainda mais.

“O pecuarista vai perder mais poder de barganha. O cenário de retenção de animais é complicado. A China vai tentar derrubar ainda mais o preço. Diante disso, os preços vão cair e não vai ser pouco, caso haja a manutenção de embargo à carne brasileira. Se o já temos relatos de boi gordo a R$ 295 em São Paulo, esse valor pode chegar a R$ 280”, prevê Iglesias.

A reportagem do Canal Rural entrou em contato com o Ministério da Agricultura (Mapa), para questionar como estão as negociações com a China para retomada dos embarques de carne, mas até a publicação desta matéria não teve retorno.

Canal Rural

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here