Mato Grosso mais uma vez é destaque no Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS) em razão do trabalho e dos resultados alcançados na área de assistência social.

Um representante do Estado foi escolhido para compor um grupo de sete profissionais que auxiliarão na análise técnica de processos para captação de recursos federais. A representante do Estado é uma assistente social de Rondonópolis, que já está em Brasília colaborando com representantes de outros seis Estados brasileiros neste trabalho.

De acordo o secretário Nacional de Assistência Social, Osvaldo Russo de Azevedo, este grupo de trabalho auxiliará a análise dos processos devido à excessiva carga de trabalho neste final de ano. “Esses profissionais já estão aptos a auxiliar na análise dos processos, já que participaram da elaboração dos mesmos. E Mato Grosso foi eleito para compor a comissão por ter desenvolvido durante todo o ano um bom trabalho na assistência social e Rondonópolis foi um Município que apresentou ótimos resultados”, disse o secretário nacional. Até o dia 20 de dezembro, esta comissão terá analisado todos os processos, pois este é o tempo hábil para que os recursos possam ser empenhados dentro do prazo.

Recentemente Mato Grosso foi o Estado campeão, em Brasília, na habilitação dos Municípios para recebimento de recursos federais. A Fundação de Promoção Social (Prosol) encaminhou ao Ministério de Desenvolvimento Social 289 projetos técnicos, resultantes do trabalho de monitoramento e orientação desenvolvido pelos técnicos do órgão nos Municípios. O resultado deste trabalho garantiu ao Estado um incremento de R$ 380,5 mil mensais para aplicação em programas sociais. Esses recursos estão sendo aplicados em Municípios de diversas regiões do Estado.

Com este dinheiro foi possível implantar e expandir programas como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), o Agente Jovem de Desenvolvimento Social, o Sentinela e o Programa de Atenção Integral à Família (PAIF). A secretária de Estado de Trabalho, Emprego e Cidadania, Terezinha Maggi, ressalta que a Prosol procurou contemplar Municípios de todas as regiões do Estado e levou em consideração a situação sócio-econômica e o grau de vulnerabilidade social em que se encontram. “Sabemos que as necessidades são muitas e que ainda há em Mato Grosso cidades em completo abandono e com índices altos de exploração sexual de jovens e adolescentes, casos de trabalho infantil, desemprego de jovens, enfim, problemas sociais que assolam as comunidades. Mas estamos trabalhando para minimizar esta mazela e melhorar a qualidade de vida do povo mato-grossense, combatendo as injustiças sociais”, disse Terezinha Maggi. Segundo ela, o reconhecimento de Mato Grosso em Brasília é fruto do trabalho que vem sendo desenvolvido no Estado. “Tratamos a assistência social como política de primeira linha. Já foi a época em que esta área era tratada como algo secundário. No Governo Blairo Maggi, a assistência social trabalha em sintonia com as áreas de emprego e renda, pois a porta de entrada do cidadão carente deve ser a da assistência social, mas a de saída é a do emprego e renda”, afirmou a secretária. 

Secom-MT

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here