O primeiro grupo de insetos, que permanece a 98 quilômetros de Barra do Quaraí, no RS, fez pequenos deslocamentos, na quinta, e foi possível fazer o controle químico terrestre.

A primeira nuvem de gafanhotos, que há 40 dias atormenta os produtores na Argentina, segue no município de  Federaciòn, na província de Entre Ríos.

O primeiro grupo, que permanece a 98 quilômetros de Barra do Quaraí, no Rio Grande do Sul, e 21 km do Uruguai, fez pequenos deslocamentos, na quinta-feira, 23, e foi possível fazer o controle químico terrestre, que estava previsto para o dia. Nesta sexta-feira, 24, chove na região e está frio. Os técnicos do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), acreditam que a nuvem vai permanecer no local, nesta sexta-feira.

Foto: Senasa/Divulgação

O Senasa  informou ainda que a densidade populacional dos gafanhotos diminuiu, de 15 km² para 10 km² nos últimos dias, graças aos controles fitossanitários realizados em Santa Fé e Corrientes, quando as condições climáticas e ambientais eram favoráveis.

Sobre a segunda nuvem de gafanhotos, encontrado em Chaco, os técnicos argentinos estão monitorando o Departamento Geral Güemes para encontrar a localização exata da praga, que cruzou o rio Bermejo, na província de de Formosa, na terça-feira.

Os fiscais estaduais agropecuários do Rio Grande do Sul e um técnico do Mapa estarão em Barra do Quaraí, hoje, para novo monitoramento das áreas rurais, na fronteira oeste do Estado.

Canal Rural

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here