A situação da pandemia do coronavírus no Distrito Federal (DF) continua a preocupar o governo. Em entrevista aoCB. Poder — uma parceria do Correio Braziliense e da TV Brasília — nesta segunda-feira (17/8), o Secretário de Saúde do Distrito Federal, Francisco Araújo Filho, reafirmou que o DF enfrenta fase crítica da pandemia e explicou a importância dos cuidados da população.

“O estado, a secretaria de saúde e o governo não têm medido esforços para proteger a vida das pessoas. Mas é importante que as pessoas façam sua parte”, ressaltou. De acordo com o secretário, a Secretaria de Saúde tem exercido um momento forte no que diz respeito à proteção do trabalhador de saúde, algo que só será alcançado com a ajuda dos cidadãos. “Toda vez que eu falo, agradeço e parabenizo pela forma que o SUS – mais precisamente cada trabalhador – tem se comportado no DF. As pessoas colocam suas vidas para salvar vidas. Agora, com a participação da sociedade no processo, nós reforçamos essa cadeia”, completa.

Apesar das insistentes críticas quanto à falta de aparelhos e materiais nos hospitais, o secretário afirmou que o Sistema Único de Saúde (SUS) alcançou grande número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “O SUS possui a estrutura necessária e avançou bastante, seja no tocante aos leitos para atender as pessoas, seja na participação da rede de atenção básica”, afirmou.

Ao ser questionado quanto à estimativa da queda no número de casos na capital federal, Francisco disse que evita menção de projeção. “Não gosto de pontuar datas. Isso não traz segurança para a população. Pelo contrário, deixa as pessoas desassossegadas”, explica. “O que afirmo para a população é que continuamos vigilantes, firmes e fortes nas nossas ações, fazendo buscas para mais insumos, para manter e desbloquear leitos. O trabalho não para um só minuto, para que o SUS fique bem estruturado”, pondera.

Entre as medidas de ação de enfrentamento, o secretário lembrou que a todo instante o SUS é modulado de tal forma que fique adequado para o tratamento e proteção das pessoas. “O que eu afirmo é que nós não descansaremos até cuidarmos de todos os cidadãos e todos os habitantes do DF, seja na linha e cuidado de atenção básica, seja na ocupação de leitos”, completa.

Testagem

Com a volta das testagens, Francisco reforça a importância do método para monitoramento e controle da doença.“Nós não podemos discutir o teste quanto à qualidade, já que cada um deles – mesmo o rápido – possui um grau de assertividade de 90 a 93%”, explica. “Mas a testagem serve para gerar dados epidemiológicos. Se não fosse isso, não saberíamos onde a pandemia está crescente e como o SUS deve se organizar.

De acordo com o secretário, as dificuldades de testagem que o DF enfrentou foram superadas. “Nós estamos liberando, esta semana, cerca de cem mil testes que nós adquirimos para o sistema de drive thru. Além disso, recebemos 300 mil testes da receita federal a título de doação, que já estão disponíveis na rede”, pontuou.

Francisco ressaltou que hoje o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) consegue processar um número maior de testes diariamente, algo que tem ajudado o processo de testagem na capital federal. “Mais de mil testes diários são feitos com tempo recorde, devido a uma tecnologia que foi desenvolvida pelo laboratório. No que diz respeito ao teste, nós testamos mais de 500 mil pessoas no DF”, ressalta. 

Correio Brasiliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here